Próximas apresentações e oficinas

2015

Belo Horizonte de 14 a 17 de maio
ESTREIA
- ZHU - CCBB 20:00hs

quinta-feira, 28 de março de 2013

NÔMADE - release

NÔMADE é o desfecho de uma trilogia que versa sobre a territorialidade, suas diversas funções e sentidos. Sendo assim, a obra une-se a ESCAPADA, de 1998 – o primeiro trabalho do grupo – e a TERRITÓRIO NU, de 2011, para discutir questões como o lugar do indivíduo no mundo, o ultrapassar de fronteiras de todos os tipos e as possibilidades de libertação e transcendência do pensamento e da criatividade humana.

ESCAPADA era a fuga, o desconforto com o lugar de origem e a busca pelo novo a partir do deslocamento físico; em TERRITÓRIO NU, uma nova etapa: a demarcação de um território e agora com NÔMADE, a descoberta necessária da inquietude e da liberdade, o não lugar como lugar ideal para o rompimento dos paradigmas, o desapego como caminho e elemento de transformação – nossa e do mundo.



O nômade que falamos aqui é aquele que reside em nós. É um nômade que nos torna inquietos e nos faz buscar algo maior em nossas vidas... ou algo mais simples... Cada nômade desenha seu próprio mapa e segue um percurso que pode nos levar, se nos permitirmos, a romper nossos paradigmas, ultrapassar fronteiras, vencer os medos e a descobrir novos mundos dentro e fora de nós.

Desapegar. Partir. Mudar.

Desterritorializar.

Libertar o pensamento.

Ser nômade não é só o deslocamento geográfico de seres, mas sim, um processo contínuo de transformação.

“Quem está com o mapa?”


foto: Duda Las Casas e Mirela Persichini

domingo, 24 de março de 2013

A Cia Mário Nascimento faz 15 ANOS

Criada em São Paulo em 1998 pelo coreógrafo Mário Nascimento e pelo compositor Fábio Cardia, a Cia. MN estreou seu primeiro trabalho, “Escapada”, no Centro Cultural São Paulo, no contexto do projeto “Brasil/Portugal – 500 Anos do Descobrimento”, a convite do curador Marcos Bragato. Pelo trabalho, Nascimento ganhou o prêmio APCA (Associação Paulista dos Críticos de Arte) de melhor coreógrafo naquele ano. “Escapada” foi levado em turnée para a Alemanha, com apresentações em Hamburgo, na Bienal de Essen e em Colônia, no Zeigen Tanztheater, com crítica favorável em jornais importantes, como o Morgen Post e o Bergedorfer Zeitung.
Dois anos depois, no projeto “O Masculino na Dança”, o Centro Cultural São Paulo apresentou o espetáculo “Trovador”, também dirigido por Mário. No elenco, o bailarino e percussionista pernambucano Kiko Ribeiro e o músico paulista Renato Gimenes. “Trovador” foi apresentado em diversas capitais do País, com boa acolhida do público e da crítica.

Em 2002 a Cia. MN transferiu-se para Belo Horizonte, MG. A partir de então, sua intensa atividade permitiu-lhe não só manter um fluxo constante de novos espetáculos, pelo menos uma estréia por ano, como também consolidar e desenvolver sua linguagem e estilo, à medida em que foi incorporando experiências e agregando artistas, como Rosa Antuña, há dez anos na companhia.

Ao longo dos anos, a companhia desenvolveu, senão uma filosofia, um modo de ser, que tem como pilares de sustentação o trabalho e a disciplina indispensável para que seus integrantes cumpram a estafante rotina de treinamento sem perder o sentido de entrega e paixão pela arte, no duro cotidiano do estúdio, transpirando.

Mário Nascimento, como coreógrafo, trabalha com uma linguagem muito específica, que vem desenvolvendo há mais de vinte anos, que se materializa e se renova a cada apresentação de sua companhia. É uma linguagem que, basicamente, incorpora recursos das artes cênicas, poesia, música, canto e voz, e também da dança de rua, do teatro físico e das artes marciais, sustentada pelas conexões entre música e dança.

Em 2012, através do Palco Giratório do SESC, a Cia. MN levou a todas as regiões do País os espetáculos “ESCAPADA” e “FALADORES”, com ótima acolhida do público e da crítica. Foram cerca de 70 apresentações, além das oficinas, em 31 cidades, em 20 Estados brasileiros.

Patrocinada pela PETROBRAS desde 2008, a Cia. Mário Nascimento celebra, em abril, seus 15 anos de fundação com a estréia de “NÔMADE”, em Belo Horizonte para, em seguida, levar o espetáculo em tournée nacional.

foto: Léo Drumond
Nômade - estréia nacional : 4 a 7 de ABRIL em Belo Horizonte
3 a 5 de MAIO em São Paulo

sábado, 23 de março de 2013

NÔMADE

QUEM ESTÁ COM O MAPA?
foto: Duda Las Casas e Mirela Persichini
com Marcella Gozzi, Léo Garcia, Eliatrice Gichewski, Rosa Antuña, Gustavo Silvestre, Fábio Costa e Mário Nascimento

ESTRÉIA NACIONAL : 4 de ABRIL, em Belo Horizonte

sábado, 16 de março de 2013

entrevista com Rosa Antuña no Centro Cultural Virtual

Confiram no link :
http://www.centroculturalvirtual.com.br/conteudo/rosa-antuna-entrevista

Artigos


Rosa Antuña - Entrevista

Rosa Antuña é bailarina intérprete, coreógrafa e diretora. A formação no clássico começou cedo, aos seis anos, e durante a trajetória fez cursos no Brasil, em Cuba e na Alemanha. Dançou no Primeiro Ato, na Mimulus e no Balé da Cidade de São Paulo. Uma série de contusões a fez a se afastar da dança em alguns períodos – ainda assim não abandonou a carreira artística, fez canto, teatro, deu aulas. Até que começou a trabalhar com a Cia Mário Nascimento, com a qual já tinha dançado no espetáculo Escambo. Nessa nova fase, como professora, ensaiadora e assistente de direção e de coreografia, foi voltando a dançar em seu tempo e ritmo, e que desaguou em Faladores, premiado espetáculo da Cia e da bailarina. Atualmente, continua fazendo cursos de teatro esporadicamente, estuda canto, coreografa, ministra aulas de Arte-Integrada, e tem carreira solo – os espetáculos Mulher Selvagem, em que alia a dança ao teatro, e O Vestido.

foto: Léo Drumond

O Brasil possui um elenco talentoso de bailarinos experientes, que integram ou integraram companhias de dança em várias partes do país. O Centro Cultural Virtual abre espaço para que esses artistas possam contar suas trajetórias e como veem a dança. Ao longo do ano serão publicadas várias entrevistas com bailarinos e bailarinas de diferentes regiões. Rosa Antuña conversou com o Centro Cultural Virtual Seráquê por email e fala sobre sua formação, revê sua trajetória, diz o que pensa sobre a dança, seus objetivos, seus projetos e muito mais.

É o que você confere aqui nesta entrevista exclusiva.


1ª Quando aconteceu, pela primeira vez, seu interesse pela dança?
Aos 6 anos, do nada, quando pedi à minha mãe pra eu voltar pro ballet (comecei aos 4 anos, mas achei que aquilo não era ballet e pedi pra sair. rsrs)


2ª Fale um pouco sobre sua trajetória.
Minha trajetória não foi fácil. Sempre cheia de altos e baixos. Mas sem dúvida, isso me fortaleceu.
Comecei como bailarina clássica. Sempre tive muitas lesões. Praticamente passei a vida fazendo fisioterapia, paralelamente ao ballet.
Estudei no Centro Mineiro, em BH, de Maria Clara Salles, que considero minha primeira mestra. Estudei em Cuba, no Centro Pro Danza e na Palucca Schule Dresden, na Alemanha.
Tive a sorte de ter tido grandes professores, como Mercedes Beltran, Laura Alonzo, Ofélia González, Graça Salles, Hans Tappendorff... Dancei muito repertório clássico, ganhei concursos...
Quando cheguei da Alemanha trabalhei no Grupo Primeiro ATO, depois voltei pro ballet clássico com Maria Clara... e em 2000 rompi o ligamento do joelho fazendo audição para o Grupo Corpo.
Foi quando tudo mudou. Foi muito difícil, pensei que não voltaria mais a dançar. Não fiz cirurgia. Tratei com Andrea Mourão, que me acompanha como fisioterapeuta desde que eu tinha 14 anos. Parei de dançar por um ano, dei aulas de ballet para crianças carentes, toquei maracatu, cantei côco, fui cuidar mais do meu espírito, meditar e tive muitos "anjos" que me ajudaram e continuam ajudando... e dali um ano Jomar Mesquita me convidou para substituir Juliana Macedo (que havia saído por um período), sua parceira na Mimulus. Fui e foi ótimo. Fiquei um ano, dancei bastante, recuperei minha confiança e saí. Sou muito grata a Mimulus, por terem me colocado no palco de novo.
A dança contemporânea começou a me chamar e fiz minha primeira coreografia para o CEFAR (escola de dança do Palácio das Artes). Foi quando conheci Mário Nascimento(2003) que me convidou para seu projeto ESCAMBO, com Prêmio do Itau Cultural. Foi ali o início de uma parceria de vida. Ele adaptou tudo o que eu precisava fazer em cena, pois eu tinha restrições por causa do joelho e da minha estrutura física que era bem frágil. E com isso, encontramos um caminho onde eu conseguia dançar.
E foi por causa de ESCAMBO que fui convidada, em 2005, para ir para o Balé da Cidade de São Paulo. A direção era de Mônica Mion, que foi maravilhosa! Fiz grandes amigos lá. Fiquei por um ano e meio, até machucar meu joelho de novo (numa aula de ballet...). Decidi voltar para BH e fazer a cirurgia. Eu sabia que minha recuperação seria complicada e por isso preferi pedir demissão.
Foram dois anos para me recuperar, fiquei muito deprimida (por 6 meses sonhava todas as noites que estava dançando). Foi um período escuro na minha vida. Por isso, para me manter sã, comecei a estudar pintura, canto e fiz dois períodos na faculdade de teatro UFMG (o que foi enriquecedor para minha carreira). Também fui chamada para dirigir um grande trabalho no CEFAR - Para os Filhos da Terra, dos Filhos das Estrelas (com todos os alunos da dança: 120, desde 6 anos de idade, até os formandos). Isso me manteve ocupada e produtiva. Coreografava sem poder mostrar nada. Aprendi a visualizar os movimentos sem precisar fazê-los. Aprendi a descobrir o movimento nos corpos dos bailarinos, como um escultor que enxerga a forma pronta num tronco de árvore.
Eu tinha certeza que não dançaria mais e já estava resignada. Era difícil conviver diariamente com bailarinos que dançavam livremente. Por um tempo isso me doía muito, mas fui aprendendo a ser útil como podia.
Então, trabalhando com a Cia Mário Nascimento como professora, ensaiadora e assistente de direção e de coreografia, fui voltando a dançar bem devagar e no meu ritmo... até vir Faladores (agosto 2008).
Daí para frente foi uma nova fase artística. Foi ali que comecei a dançar realmente. E até hoje continuo fazendo cursos de teatro qundo tenho tempo ( com Yara de Novaes, Roberta Carreri...), estudo canto, coreografo, tenho minha carreira solo, dou aula de Arte-Integrada... e vejo que tudo o que me aconteceu fez parte do meu treinamento para que eu soubesse porque estar em cena. Para que eu descobrisse o valor de estar no palco. Para que eu sentisse uma verdadeira gratidão por ser artista e saber que a Arte permite a seus artistas vários caminhos. E Mário Nascimento foi meu grande parceiro e incentivador. Ele não me deixou desistir em vários momentos onde eu havia deixado de acreditar. A ele eu agradeço do fundo do meu coração e da minha Alma.


3ª Que experiência foi a mais transformadora em sua trajetória?
Ter estudado em Cuba foi a experiência mais transformadora em minha trajetória. Eu tinha 18 anos e foi fundamental para a minha formação não apenas como bailarina, mas também como pessoa. Em Cuba eu aprendi a lutar. Aprendi a parar de reclamar. Aprendi a ter foco. Aprendi a aproveitar as oportunidades. Aprendi a dar valor ao que é essencial. Aprendi a ter paciência. Aprendi que esforço, treinamento e dedicação, trazem sim, um bom resultado. E o mais importante: aprendi o que é solidariedade.
Tive outras experiências transformadoras que foram : ter estudado em Dresden, na Alemanha, Ter dançado no Ballet da Cidade de São Paulo e ter feito ano passado o Palco Giratório do SESC, com a Cia Mário Nascimento.


4ª Quais são os objetivos profissionais a médio prazo, e como pretende atingí-los?
A médio prazo farei a estreia e circulação de meu novo solo autoral " O Vestido". Também farei a circulação com meu outro solo (que teve sua estreia em 2010) Mulher Selvagem. Estou dirigindo um novo trabalho para Jacqueline Gimenes, Christiane Antuña e Cris Oliveira (ainda está bem no início). Todos estes serão através de projetos de Lei de Incentivo a Cultura e editais de Festivais. Preciso encontrar uma empresa que me apoie numa parceria constante.
Fui convidada por duas atrizes de Brasília para dirigi-las num projeto lindo e delicado, com estreia no segundo semestre e fui convidada também para criar uma coreografia para a Cia de Dança Mitzi Marzzuti (Vitória) ainda para este semestre. Com a Cia Mário Nascimento farei a estreia de Nômade agora de 4 a 7 de abril em Belo Horizonte, no Teatro Oi Futuro Klauss Vianna e então circularemos pelo país, com o patrocínio da Petrobras.


5ª O que sonha para o profissional de dança no Brasil?
Eu quero que o profissional de dança no Brasil seja um realizador que rompe fronteiras. Eu quero que o profissional de dança no Brasil ouse, mude, seja corajoso e inovador. Quero que este profissional mova mundos. Quero que este profissional de dança expresse suas propostas com ousadia, clareza, criatividade e originalidade. Quero que este profissional acredite em si mesmo e em sua capacidade de ir além. Quero que todos se nivelem por cima, quero que os profissionais de dança no Brasil sejam uma referência no mundo por sua técnica, por seu swing, por seu pensamento crítico, por seu caminho inusitado e autoral, por sua competência. Eu quero que os profissionais de dança no Brasil sejam respeitados e reconhecidos no mundo, a começar por seu próprio país. Quero então que este reconhecimento comece por leis que facilitem a realização dos trabalhos. Quero que existam mecenas que deem dinheiro para os grupos e artistas da dança realizarem seus espetáculos, tournées e oficinas. Quero que todos tenhamos sede própria, subsidiada pelo governo. Quero que nós, profissionais da dança tenhamos condições financeiras para vivermos do nosso trabalho com a dança. Quero que o Brasil nos veja como seres fundamentais para o desenvolvimento cultural do país. E para isso, nós, profissionais da dança, devemos saber o quanto valemos. E o quanto é digno e fundamental nosso trabalho. E o apoio que queremos é justo e não um favor que fazem por nós. Que os patrocinadores tenham orgulho de patrocinar a dança. E que nós tenhamos dignidade para nos defender e lutar para termos direitos e apoios, sem burocratizar a Arte da Dança. Que sejamos respeitados como Artistas, a começar por nós mesmos.


6ª Como vc define a arte da dança?
A Arte da Dança... difícil definir... A dança conduz quem a pratica para estados sensoriais, emocionais, psicológicos, espirituais... a dança é a própria ponte que conduz aquele que dança às esferas mais sublimes em diversos níveis humanos e espirituais. A dança liberta o corpo, desbloqueia chakras e couraças emocionais. A dança integra grupos, pessoas... A Arte da Dança propõe novas formas de ver o mundo e de se "movimentar " no mundo. A dança nos faz romper as nossas próprias fronteiras. Propõe olhares mais sensíveis.
Para mim, a dança é a Arte do Sublime.


7ª Qual a importância da arte para a humanidade?
A Arte faz a humanidade caminhar, crescer, evoluir. A Arte ajuda a refletirmos sobre nós mesmos, ajuda a romper paradigmas, romper padrões de comportamento... A Arte nos ajuda a pensar, a sentir, a questionar. Ajuda a sair do nosso lugar confortável. A Arte nos leva para dentro de nós mesmos e nos ensina a nos conectarmos com o sublime.
E é ela, a arte, que nos revela em que ponto estamos em nosso entendimento humano, social, emocional e filosófico e assim, nos oferece a ponte (que cabe a nós atravessarmos ou não) para um nível mais profundo de consciência, discernimento e lucidez.

terça-feira, 12 de março de 2013

Fábio Cardia

E o nosso músico, há 15 anos parceiro de Mário Nascimento? Quem é?
foto: Gil Grossi


FÁBIO CARDIA é maestro, compositor, arranjador, multiinstrumentista e produtor musical. Entre outros prêmios, ganhou também o prêmio inédito da APCA 2004 - Associação Paulista de Críticos de Arte de São Paulo - de música para Dança pelo “CD Soma”, que incluía a trilha de ESCAMBO, da Cia Mário Nascimento.

Nos anos 90, co-produziu a trilha sonora da série infantil “O mundo da Lua”, exibida pela TV Cultura e Globo. No mercado fonográfico atua como produtor de discos, já tendo participado da gravação de mais de 80 álbuns em estilos que variam de Marina Lima, Cazuza, Leoni, Fábio Júnior, Amelinha, Mara até Renato Martins (CIrc du Soleil), Angélica, Cláudio Goldman (POP) e Daniel Talbkin (vanguarda).

Na dança é diretor musical da Cia Mário Nascimento, e reconhecido por composições para grandes companhias, como “Balé da Cidade de SP”, “Cisne Negro”, “Balé Teatro Guaíra”, “Ballet Teatro Castro Alves”, “Carlota Portela”, “Renato Vieira”, “Balé de São José do Rio Preto”, já tendo participado de eventos nacionais como "Festival de Inverno de Campos do Jordão" e “Confort em Dança”, “Mercosul Cultural” e internacionais no Joyce Theater, "Essen Festival".

Com citações no The New York Times (EUA) e The Times (Inglaterra) teve seus trabalhos apresentados em diversos países como Inglaterra, Bélgica, Alemanha, Estados Unidos, Israel...
Suas trilhas estão disponíveis no site www.fabiocardia.com.br

segunda-feira, 11 de março de 2013

Mário Nascimento - entrevista

Mário Nascimento – nômade – touro – dirige a Cia MN desde 1998

foto : Duda Las Casas e Mirela Persichini



Ele não veio de lugar nenhum e veio de todos ao mesmo tempo. É do mundo. Não precisa de um lugar e assim consegue dar sentido à sua arte. Gosta do nomadismo e isso lhe faz bem, pois o nômade não tem residencia fixa.
O que interessa a ele são os deslocamentos constantes. É assim que consegue evoluir como alguém que não tem lugar definido.
É um verdadeiro homem do mundo.


1 - onde vc nasceu: na mongólia, no dia em que nasceram meus ancestrais.

2 - em quais cidades já morou - * Eu sou um filho do mundo

3 - quantas vezes mudou de casa - * Sou um viajante

4 - quantas vezes mudou de celular (o número) - * Tenho amigos em todos os lugares

5 - o que te impulsiona - * Trabalho.

6 - qual é o seu grito - * Meu grito é interno.

7 - qual é o seu silêncio * Não tenho silêncio. Grito o tempo todo.

8 - o que te faz se sentir vivo - * Saber que posso continuar. Então encontro uma forma de estar sempre recomeçando.

9 - qual a próxima mudança – * Não tem uma próxima mudança, e sim, um constante estado de muitas mudanças.

10 - pra onde vc quer ir - * Pra lugar nenhum, só assim consigo continuar indo.

sábado, 9 de março de 2013

Rosa Antuña - entrevista

Rosa Antuña - nômade - 35 anos - câncer - na Cia MN desde julho de 2003


foto: Duda Las Casas e Mirela Persichini


1 – Onde você nasceu : Belo Horizonte, MG

2 – Em quais cidades já morou : Belo Horizonte, La Havana (Cuba), Dresden (Alemanha) e São Paulo

3 – Quantas vezes mudou de casa : em BH 4 vezes.

4 - Quantas vezes mudou de celular (o número) : 4 vezes...

5 - O que te impulsiona : curiosidade, necessidade de estar sempre aprendendo algo novo, uma inquietação e insatisfação interna profunda e constante, necessida...de de superar desafios, aversão à sensação de estagnação

6 - Qual é o seu grito : a dança é o meu grito

7 - Qual é o seu silêncio : o Tibet

8 – O que te faz se sentir viva : criar faz com que eu me sinta viva, conhecer novos lugares e pessoas, novos sabores e cores, amores, paixões... amigos... transpirar, cantar, tocar, pintar, escrever... verbos me fazem sentir viva... agir... silenciar e olhar para dentro de mim.

9 – Qual a próxima mudança : estou sempre mudando... quero que o teatro, a música e o cinema entrem mais na minha vida.

10- Pra onde você quer ir : Paris... Londres... Nova Iorque, Tókio, Berlim... rs ... uma bela praia no sul da Bahia... ... e então quero ir me silenciar no Tibet.

terça-feira, 5 de março de 2013

Léo Garcia - entrevista

Léo Garcia - nômade - 24 anos - leão - bailarino da Cia MN desde junho de 2008



foto: Duda Las Casas e Mirela Persichini


1 - onde vc nasceu - “Eu nasci e me criei

no colo das iabás

Andei por cima da pedras

Pisei no fogo sem me queimar

Andei onde mãe Clementina

andou,

E o samba mandou me chamar

... Eu faço o que o samba manda

Eu ando onde o samba andar

Com a força da minha fé,

Eu ando em qualquer lugar...”

2 - em quais cidades já morou - “ Quando o clarão da lua

Ilumina a madrugada

E aí eu faço das ruas

Minha eterna morada...”

3 - quantas vezes mudou de casa

“Eu não tenho chão

Eu não tenho casa

Eu não tenho pão

Tô vendendo as asas

Que possuo

Por não ter nada mais...

Eu não tenho chão

Só tenho grão de esperança”

Deixa pra lá ha quem tem por nós

Eu não tenho casa...”

4 - quantas vezes mudou de celular (o número) - ”Malandro é Malandro,Mané é Mané!”

5 - o que te impulsiona - “Minha força é a fé que carrego no fundo do peito...Deus louvado seja Deus!”

Salve Dona Terezinha de Jesus!

6 - qual é o seu grito”TEM QUE LUTAR NÃO SE ABATER!!!”

Salve Seu José Garcia!

7 - qual é o seu silêncio - ”Mas aconteceu um dia

Foi que o menino Deus chamou

E ela se foi pra cantar

Para além do luar

Onde moram as estrelas

E a gente fica a lembrar

Vendo o céu clarear

Na esperança de vê-la, sabiáSabiá

Que falta faz sua alegria

Sem você, meu canto agora é só

MelâncoliaCanta meu sabiá,

Voa meu sabiá,

Adeus meu sabiá...

Até um dia...”

Salve Dona Marieta Leandro


8 - o que te faz se sentir vivo?

“Eu sou a semente mais pura que papai plantou

Regado por velhos costumes que vovô deixou

Regendo um futuro com mais união

Um alegre canto num só tom

Marcando no surdo as batidas de um coração

Eu fui abraçado com a benção que mamãe rogou Na boca o gosto do doce que a vó cozinhou

Ganhei no sangue um toque de azul

Nos dedos leveza e inspiração

Pra compor meu destino, vou que vou..”



9 - qual a próxima mudança?

“Eu vou pro samba

Não sei que horas vou voltar

deixa a vela ascesa

E a chave no lugar..”


10 - pra onde vc quer ir?

E deixa a vida me levar

Vida leva eu!

Sou feliz e agradeço

Por tudo que Deus me deu...

Só posso levantar

As mãos pro céu

Agradecer e ser fiel

Ao destino que Deus me deu

Se não tenho tudo que preciso

Com o que tenho, vivo

De mansinho lá vou eu...

Se a coisa não sai

Do jeito que eu quero

Também não me desespero

O negócio é deixar rolar

E aos trancos e barrancos

Lá vou eu!

E sou feliz e agradeço

Por tudo que Deus me deu...”

Pra mim tudo acaba em samba.

E quem rezar por mim que o faça sambando,sambando no pé, na paz do Senhor.

Vou sambar, até o sapato pedir pra parar. Aí eu paro, tiro o sapato e sambo.O resto da vida.

Só me resta dançar.

Eliatrice Gichewski - entrevista


Eliatrice Gichewski - nômade - 25 anos - áries - bailarina da Cia MN desde agosto de 2011

foto: Duda Las Casas e Mirela Persichini




1 – Onde você nasceu : * Formiga

2 – Em quais cidades já morou : * Formiga e BH

3 – Quantas vezes mudou de casa : * Em Formiga uma. Em Belo Horizonte 5

4 - Quantas vezes mudou de celular (o número) : * Já tive vários números, Mas sobreviveram dois. Hoje tenho o meu primeiro número de Formiga e o primeiro que comprei quando me mudei pra cá.

5 - O que te impulsiona : * Seguir em frente é ...meu natural. É instintivo. O que me impulsiona pra frente é o simples fato de estar aqui. Existir.

6 - Qual é o seu grito : * Meu grito? Nossa.... Sinceramente? Nenhum. Não há nada que eu gritaria por. Aqui pensando nessa resposta imagino que ao invés de gritar saio correndo pra fazer alguma coisa. Qualquer que seja.

7 - Qual é o seu silêncio : * Todos. Falo muito, mas sou uma pessoa silenciosa. O meu silêncio sou eu. É onde me encontro.

8 – O que te faz se sentir viva : * O ar. O sol. A dança. E o minuto rapidinho, todos os dias, que eu tiro pra saborear lentamente algum deles.

9 – Qual a próxima mudança : * Não sei. Nunca sei. Sou apegada. Tenho dificuldade em planejar mudanças, então mudo repentinamente. No impulso. Hoje eu acordo, resolvo ir embora, e vou. Sem olhar pra trás.

10- Pra onde você quer ir : * Nesse minuto, pra uma biblioteca gigante e vazia (de gente) rs. Eventualmente quero ir pro meio de pessoas. Normalmente, só quero ir pra casa.

sexta-feira, 1 de março de 2013

Fábio Costa - entrevista

Fabio Costa - nômade – 30 anos – sagitário – bailarino da Cia MN desde julho de 2012


foto : Duda Las Casas


1 - onde vc nasceu : * Em Araraquara SP

2 - em quais cidades já morou: * essa pergunta parece a música do Legião ,rs ....Já morei em Araraquara SP/ Rio de Janeiro /Belo Horizonte..

3 - quantas vezes mudou de casa : * ......acho que umas 6 vezes

4 - quantas vezes mudou de celular (o número): * Vixxxxxxx...celular é complicado tenho acho que uns 4 chip mas sem saber os números , tenho um chip ...DDD 16-SP/34-Uberlândia/31-BH/21-RJ(Ainda bem que não tem a pergunta qualé o número, rs)

5 - o que te impulsiona : * O mesmo motivo que me me fez deixar a Família (Querer conhecer outros lugares e pessoas )

6 - qual é o seu grito: * Eu sou Guerreirooo

7 - qual é o seu silêncio : * ( )

8 - o que te faz se sentir vivo? *

9 - qual a próxima mudança? * Ah... seria muito chato se eu soubesse essa resposta

10 - pra onde vc quer ir? * Eu vou pra qualquer lugar, só não quero é ficar parado com a boca escancarada cheia de dentes esperando a morte chegar ..(Raul Seixas)

Alicia-Lynn - entrevista

Alícia-Lynn - nômade - 29 anos - sagitário - bailarina da Cia MN desde fevereiro de 2013


foto : Léo Drumond
1 - onde vc nasceu: * Providence, Rhode Island, USA

2 - em quais cidades já morou: * Creçei em Albuquerque, New Mexico, foi na faculdade em Tucson, Arizona, depois morei em Philadelphia, PA, depois foi para Denver, Colorado, depois varios lugares só para voltar para Philadelphia.....Agora estou morando aqui em BH

3 - quantas vezes mudou de casa: * kkkk boa pergunta....mas do que 20 vez...es

4 - quantas vezes mudou de celular (o número) : * Sempre fequei com meu numero de novo mexico...Nos EUA é mais facil....Aqui eu so tenha um tmb....então 2 vezes

5 - o que te impulsiona : * A onda da vida, crescimento, aprendizagem, curiosidade, ambições e objetivos, paixão, desenvolvimento, fé, e amor.

6 - qual é o seu grito: * Galo...kkkk (Não isso seria meu marido) Falando serio: AMOR!!! I am the daughter of a hippy and a Brazilian what can I say?

7 - qual é o seu silêncio: * minha fé and the present moment.

8 - o que te faz se sentir vivo : * DANCE, amor, muito beijos, novas experiencias, enjoying the little things and the ordinary, nature,

9 - qual a próxima mudança: * Mudanças ocorrem todo momento. On a philosophical note: Eu estou sempre buscando "change for the better" igual Obama falou "Change will not come if we wait for some other person or some other time. We are the change we seek" Nossos atos todo dia faz parte das mudanças dos preconceitos do mundo inteiro. As mudanças começam com amor, perdão, compreensão, e nossas ações. On a personal level: Dançando com Cia Mário Nascimento é a mudança mas recente. Estou mudando como uma dançarina e pensadora, fisicamente e emocionalmente.

10 - pra onde vc quer ir : * they say you never leave where you are until you decide where you'd rather be... mas por em quanto estou feliz aonde eu estou. Meu presente é maravilhoso!! "There are only two days in the year that nothing can be done. One is called yesterday and the other is called tomorrow. Today is the right day to love, believe, do and mostly live" - Dalai Lama XIV.